Prefeitura Municipal de Bandeirantes - Paraná

‘Não há como erradicar o escorpião amarelo, apenas controlar’, alertam técnicas da Regional da Saúde

Imprimir PDF
PMB
 
Eles são feios – mas há quem os achem bonitinhos - e assustadores, além de perigosos. Nesta época do ano, devido ao ambiente ideal de calor e umidade, o índice de infestação de escorpiões, especialmente os amarelos (Tityus serrulatus), aumentam.

Para tratar do assunto sobre controle e manejo clínico de acidentes por escorpião, especialmente o amarelo, a Prefeitura de Bandeirantes e a Secretaria de Saúde, através do Setor de Epidemiologia e Vigilância Sanitária, promoveram palestras que foram conduzidas pelas agentes técnicas da 18ª Regional de Saúde de Cornélio Procópio, a médica veterinária Maiane Soares, e a inspetora de Saneamento, Maria Helena Mendes Luiz. Também fez apresentações e orientações, o médico da Saúde da Família, clínico geral dr. Valker Antonio Correa.

Durante o encontro, que aconteceu no Centro Cultural Takiko Hassegawa (Praça Valderi Mendes Vilela/Praça Brasil-Japão) e reuniu alguns representantes de entidades, autoridades e estudantes do curso Técnico de Enfermagem do CEEP Osório Gonçalves Nogueira, foi tratado sobre o alto índice de infestação do animal em todas as regiões do Estado, assim como aumento dos acidentes graves, inclusive com registros de mortes, em adultos, idosos e, principalmente, crianças.

PMB

Para a secretária de Saúde, Daiane Tomé, as orientações das técnicas da Regional de Saúde e do médico do Município foram fundamentais para nortear os participantes sobre como proceder em casos de acidentes com o animal, cuidados e medidas preventivas ambientais para o controle. “É importante que as pessoas redobrem os cuidados para evitar acidentes, principalmente em períodos de chuva e calor, em que o aparecimento dos animais é mais frequente”, recomendou.

Em 2017, foram registrados pela Secretaria Estadual de Saúde 16 mil acidentes com duas mortes. Já este ano, de janeiro a outubro, foram notificados 11 mil acidentes, também com duas mortes – uma delas na região Norte Pioneiro. Em Bandeirantes, de acordo com o coordenador da Vigilância em Saúde, biólogo Reinaldo Marqui, neste ano foram atendidas 783 reclamações e investigados 136 acidentes (picadas). “Semanalmente temos recebido notificação média de três a quatro acidentes. É um número alto para nossa cidade e está crescente”, preocupou-se.

A médica veterinária Maiane Soares ressaltou que “não há como erradicar o escorpião amarelo, mas sim realizar um trabalho de controle ambiental”, afirmou e explicou que esta espécie é a única que se reproduz sem acasalamento. “Só existem fêmeas e se reproduzem por partenogênese, ou seja, pela autofecundação. Isso significa que a fêmea não precisa do macho para procriar. Sua proliferação é muito mais fácil e rápida, sendo que pode realizar até duas gestações por ano com 30 filhotes cada. Ou seja, um animal por ano, pode gerar 60 outros”, citou.

PMB

A orientação em casos de acidentes com escorpião amarelo é a de procurar imediatamente a unidade de saúde mais próxima para que seja feita a administração do soro contra o veneno do animal. O veneno do escorpião-amarelo age diretamente no sistema nervoso e pode matar a vítima em pouco tempo, sendo as crianças e idosos os mais suscetíveis.

AMBIENTE DO ANIMAL - Da classe dos aracnídeos, o escorpião amarelo possui hábitos noturnos, vive em locais escuros, quentes e úmidos, e encontrado em entulhos, pedras, frestas de calçadas, muros, paredes, e também dentro de sapatos, junto a roupas, etc.

Cuidar do lixo domiciliar também é fundamental para evitar o aparecimento do animal, pois quando mal acondicionado, restos de alimentos e sujeira nas casas atraem baratas e outros insetos que são alimentos dos escorpiões. Manter limpo o ambiente doméstico é essencial para evitar seu aparecimento. (Fotos Carlos Almeida)

 
Navegando em: Principal Saúde ‘Não há como erradicar o escorpião amarelo, apenas controlar’, alertam técnicas da Regional da Saúde
PMB

Últimos Atos Oficiais

Mais clicadas